terça-feira, 16 de dezembro de 2008


You were what I more was loving, others will not love you as I still love you
I miss of drawing your face with the tips of my fingers...

Eu nem sei pra quem escrevo
Penso que escrevo para eu mesma

Escrevo pra não cair no esquecimento

Talvez seja isso.

Talvez preciso esquecer

Deixar se no esquecimento
Esquecer de mim mesma
Das palavras nunca ditas

Aquelas que ficam guardadas

E não saem da boca não sei por que?

Quem sabe?

Quem sabe é porque nunca deveriam ser ditas

Quem sabe eram só para ficarem suspensas no ar

Presas no papel.

Se não são ditas pela boca

Os meus dedos dizem aquilo que não falo.

Será esse o problema?

Não devia ter tirado nem uma delas de dentro de mim
Não devia... Ah! Deus eu não devia

Pois todas as vezes, escrevo

E não sei pra quem escrevo

Nem porque escrevo

Só o que sei é que

Me refugio em cada uma delas

Ou me angustio em cada uma delas

Se as pessoas me lessem, me entenderiam

Compreenderiam.
Eu tenho quase certeza

Saberiam distinguir o meu eu

Saberiam ler o espelho da minha alma embaçado

As minhas janelas chuvosas

Quando conto sobre os meus fantasmas

Quando digo sobre mim mesma
Quando falo de amor

Quando não me compreendo

Quando não me aceito pelo que fiz

Ou pelo que faço

Quando me jugo indigna de amar

Por ser incapaz de ter feito alguém feliz,

Pelo simples fato de eu existi na vida dela
Ah! Quanta tolice!

Eternos tolos, enganadores de si mesmo
Que arte mais inútil.

Pensar demais faz mal ao coração.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008



...Estou procurando, estou procurando.
Estou tentando me entender.
Tentando dar a alguém o que vivi e não sei a quem, mas não quero ficar com o que vivi.
Não sei o que fazer do que vivi, tenho medo dessa desorganização profunda.

Clarice Lispector

Notados


Qual o nosso real valor?
Nossa real importância?
Ser importante, tornar-se tal
As vezes somos, só não sabemos
O que não é necessário para anular nosso valor
Sermos notados? É isso?
Exato... Alguém que nunca viu se sente importante
Se alguém o ver.
Ser enxergados e não visto
Escutados e não ouvidos
Isso faz a diferença.
Diferença... essa coisa que procuramos ter em si
Ou tentamos ter, bom... somos todos diferentes.
Mas ser diferente aos olhos de quem você quer...
Ai sim são outros quinhentos.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008


Luz dos teus olhos - Nando Reis

Ponho os meus olhos em você, se você está
Dona dos meus olhos é você, avião no ar
dia pra esses olhos sem te ver, é como o chão do mar
Liga o radio a pilha, a TV, só pra você escutar
A nova música que eu fiz agora
Lá fora a rua vazia chora

Os meus olhos vidram ao te ver, são dois fãs, um par
Pus nos olhos vidros pra poder, melhor te enxergar
Luz dos olhos para anoitecer, é só você se afastar
Pinta os lábios para escrever, a tua boca é minha

Que a nossa musica eu fiz agora, lá fora a lua irradia
a glória
E eu te chamo, eu te peço vem
Diga que você me quer, porque eu te quero também

Passo as tardes pensando
Faço as pazes tentando te telefonar
Cartazes te procurando
Aeronaves seguem pousando sem você desembarcar
Pra eu te dar a mão nessa hora
Levar as malas pro fusca lá fora

E eu vou guiando, eu te espero vem
Siga onde vão meus pés, que eu te sigo também
Por que eu te amo e eu berro vem
Grita que você me quer porque eu te quero também






I want to forget it as I was forgotten...I promise



Entre a Serpente e a Estrela - Zé Ramalho 

Há um brilho de faca
onde o amor vier
e ninguém tem o mapa
da alma da mulher
ninguém sai com o coração sem sangrar
ao tentar revê-lá
um ser maravilhoso
entre a serpente e a estrela
um grande amor do passado se transforma em aversão
e os dois lado a lado
corroem o coração
não existe saudade mais cortante
que a de um grande amor ausente
dura feito diamante
corta a ilusão da gente
toco a vida pra frente
fingindo não sofrer
mas no peito dormente
espera um bem querer
e sei que não será surpresa
se o futuro me trouxer
o passado de volta
num semblante de mulher

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Para ouvir em dias frios


"And the Ripped Ones say goodbye
While the others meet.."

Loro - Adem

Palavras ao vento - Pedro Bial


A primeira letra do alfabeto é também a primeira letra da palavra
amor e se acha importantíssima por isso!
Com A se escreve "arrependimento" que é uma inútil vontade de
pedir ao tempo para voltar atrás e com A se dá o tipo de tchau
mais triste que existe: "adeus"... Ah, é com A que se faz
"abracadabra", palavra que se diz capaz de transformar sapo em
príncipe e vice-versa...
Com B se diz "belo" - que é tudo que faz os olhos pensarem ser
coração; e se dá a "bênção", um sim que pretende dar sorte.
Com C, "calendário", que é onde moram os dias e o "carnaval",
esta oportunidade praticamente obrigatória de ser feliz com data
marcada. "Civilizado" é quem já aprendeu a cantar ´parabéns pra
você` e sabe o que é "contrato": "você isso, eu aquilo, com
assinatura embaixo".
Com D , se chega à "dedução", o caminho entre o "se" e o
"então"... Com D começa "defeito", que é cada pedacinho que
falta para se chegar à perfeição e se pede "desculpa", uma
palavra que pretende ser beijo.
E tem o E de "efêmero", quando o eterno passa logo; de
"escuridão", que é o resto da noite, se alguém recortar as
estrelas; e "emoção", um tango que ainda não foi feito. E tem
também "eba!", uma forma de agradecimento muito utilizada por
quem ganhou um pirulito, por exemplo...
F é para "fantasia", qualquer tipo de "já pensou se fosse
assim?"; "fábula", uma história que poderia ter acontecido de
verdade, se a verdade fosse um pouco mais maluca; e "fé", que é
toda certeza que dispensa provas.
A sétima letra do alfabeto é G, que fica irritadíssima quando a
confundem com o J. G, de "grade", que serve para prender todo
mundo - uns dentro, outros fora; G de "goleiro", alguém em quem
se pode botar a culpa do gol; G de "gente": carne, osso, alma e
sentimento, tudo isso ao mesmo tempo.
Depois vem o H de "história": quando todas as palavras do
dicionário ficam à disposição de quem quiser contar qualquer
coisa que tenha acontecido ou sido inventada.
O I de "idade", aquilo que você tem certeza que vai ganhar de
aniversário, queira ou não queira.
J de "janela!, por onde entra tudo que é lá fora e de "jasmim",
que tem a sorte de ser flor e ainda tem a graça de se chamar
assim.
L de "lá", onde a gente fica pensando se está melhor ou pior do
que aqui; de "lágrima", sumo que sai pelos olhos quando se
espreme o coração, e de "loucura", coisa que quem não tem só
pode ser completamente louco.
M de "madrugada", quando vivem os sonhos...
N de "noiva", moça que geralmente usa branco por fora e vermelho
por dentro.
O de "óbvio", não precisa explicar...
P de "pecado", algo que os homens inventaram e então inventaram
que foi Deus que inventou.
Q, tudo que tem um não sei quê de não sei quê.
E R, de "rebolar", o que se tem que fazer pra chegar lá.
S é de "sagrado", tudo o que combina com uma cantata de Bach; de
"segredo", aquilo que você está louco pra contar; de "sexo":
quando o beijo é maior que a boca.
T é de "talvez", resposta pior que ´não`, uma vez que ainda
deixa, meio bamba, uma esperança... de "tanto", um muito que até
ficou tonto... de "testemunha": quem por sorte ou por azar, não
estava em outro lugar.
U de "ui", um ài" que ainda é arrepio; de "último", que anuncia
o começo de outra coisa; e de "único": tudo que, pela facilidade
de virar nenhum, pede cuidado.
Vem o V, de "vazio", um termo injusto com a palavra nada; de
"volúvel", uma pessoa que ora quer o que quer, ora quer o que
querem que ela queira.
E chegamos ao X, uma incógnita... X de "xingamento", que é uma
palavra ou frase destinada a acabar com a alegria de alguém; e
de "xô", única palavra do dicionário das aves traduzida para o
português.
Z é a última letra do alfabeto, que alcançou a glória quando foi
usada pelo Zorro... Z de "zaga", algo que serve para o goleiro
não se sentir o único culpado; de "zebra", quando você esperava
liso e veio listrado; e de "zíper", fecho que precisa de um bom
motivo pra ser aberto; e de "zureta", que é como fica a cabeça
da gente ao final de um dicionário inteiro.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Kings of Convenience


Parallel Lines - Tradução

Qual é a substância imaterial

que envolve duas pessoas
Que um percebe como fome
E o outro como comida
Eu acordo em cobertores emaranhados
a um caixilho de neve
Você sonha num jardim de desenho
Eu nunca poderia saber.
Imitação inocente de como seria
Se um a música entrou, você não recuou
na minha imaginação você é moldada em ouro
Sua imagem, uma compensação para eu guardar

Linhas paralelas, movem-se tão rápido
Rumo ao mesmo ponto
O infinito é tão perto quanto é longe

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

...


I don't wanna miss a thing
Aerosmith


I could stay awake just to hear you breathing
Watch you smile while you are sleeping
While you're far away and dreaming
I could spend my life in this sweet surrender
I could stay lost in this moment forever
Every moment spent with you
Is a moment I treasure

Don't wanna close my eyes
I don't wanna fall a sleep
'Cause i'd miss you baby
And I don't wanna miss a thing
'Cause even when I dream of you
The sweetest dream would never do
I'd still miss you baby
And I don't wanna miss a thing

Laying close to you
Feeling your heart beating
And I'm wondering what you're dreaming
Wondering if it's me you're seeing
Then I kiss your eyes and thank God we're together
I just want to stay with you
In this moment forever, forever and ever

I don't wanna miss one smile
I don't wanna miss one kiss
I just wanna be with you
Right here with you, just like this
I just wanna hold you close
Feel your heart so close to mine
And just stay here in this moment
For all the rest of time



quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Me assopre...


Que as minhas palavras saiam, que voem rumo as teus ouvidos
Que o meu canto venha ser livre,
Que tenha o som da felicidade
Que as palavras venha invadir teu ser
Que sintas imensa saudade -
Sentir saudade as vezes faz bem
Que sinta se feliz por viver
Que sinta se vivo, pronto para mais um vez amar
Amar a vida, amar ao teu próximo
Amar a ti mesmo.
Que o vento leve um pouco de mim
Que vento leve meus versos
Que eles possam te fazer dançar
Sorrir à-toa!
Amar e viver as coisas simples da vida
É o que há de melhor.

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Amar doí Meu Bem?... As vezes...


"My heart still has a beat But love is now a feat...
Sometimes when I'm alone,
I wonder Is there a spell that I am under keeping me from seeing the real thing?
Love hurts but sometimes it's a good hurt and it feels like
I'm alive Love sings when it transcends the bad things
Have a heart and try me, ‘cause without love I won't survive"
Incubus

Tempo


"A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.
Quando se vê, já são seis horas!
Quando se vê, já é sexta-feira...
Quando se vê, já terminou o ano...
Quando se vê, perdemos o amor da nossa vida.
Quando se vê, já passaram-se 50 anos!
Agora é tarde demais para ser reprovado.

Se me fosse dado, um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio. Seguiria sempre em frente e iria jogando, pelo caminho,
a casca dourada e inútil das horas.
Desta forma, eu digo:
Não deixe de fazer algo que gosta devido à falta de tempo,
a única falta que terá, será desse tempo que infelizmente não voltará mais."

Mário Quintana

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Então você me ouviu...


É incrivelmente estranho por que eu não sei se isso me fez bem ou me fez mal
Preciso transformar essa minha dor em saudade.
Essa dor que ainda sinto, que você sentiu e não sente mais.
Um pedaço de mim ainda morre, você ainda mata
Um pedaço de ti eu matei, já morreu.
Eu só queria parar, para de estar assim
Queria adormecer sem antes chorar,
Sem antes lembrar de você,
Sem antes sentir saudade,
Sem antes pensar como seria bom estar com você novamente.
Queria sentir essa nostalgia que tu sentes
Queria te ver sem ter vontade de chorar por arrependimento
De ter deixado tu ir como quem segura água nas mãos
Queria me sentir feliz ao te ver
Feliz por ter tido a felicidade, por ter sido feliz com você
Parte de mim ficou contigo e morreu
A sua metade em mim ainda morre.

"Quando não estás aqui
Sinto falta de mim mesmo
E sinto falta do meu corpo junto ao teu...Me partiram em dois"
Legião Urbana




How long can we suffer?
We're as blind as each other
so much to discover
I've become a believer

E se?




What If - ColdPlay

What if there was no lie
Nothing wrong nothing right
What if there was no time
And no reason or rhyme
What if you should decide
That you don't want me there by your side
That you don't want me there in your life

What if I got it wrong
And no poem or song
Could put right what I got wrong
Or make you feel I belong
What if you should decide
That you don't want me there by your side
That you don't want me there in your life

Oooh that's right
Let's take a breath jump over the side
Oooh let's try
How can you know it when you don't even try
Oooh that's right

Every step that you take
Could be your biggest mistake
It could bend or it could break
That's the risk that you take
What if you should decide
That you don't want me there in your life
That you don't want me there by your side

Oooh that's right
Let's take a breath jump over the side
Oooh let's try
How can you know it when you don't even try
Oooh that's right

Oooh thats right
Let's take a breath jump over the side
Oooh let's try
You know that darkness always turns into light
Oooh that's right

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Metade - Oswaldo Montenegro


Que a força do medo que tenho
Não me impeça de ver o que anseio.

Que a morte de tudo em que acredito
Não me tape os ouvidos e a boca
Porque metade de mim é o que eu grito
Mas a outra metade é silêncio.

Que a música que ouço ao longe
Seja linda ainda que tristeza
Que a mulher que eu amo seja pra sempre amada
Mesmo que distante
Porque metade de mim é partida
Mas a outra metade é saudade

Que as palavras que eu falo
Não sejam ouvidas como prece e nem repetidas com fervor
Apenas respeitadas
Como a única coisa que resta a um homem inundado de sentimentos
Porque metade de mim é o que ouço
Mas a outra metade é o que calo.

Que essa minha vontade de ir embora
Se transforme na calma e na paz que eu mereço
Que essa tensão que me corrói por dentro
Seja um dia recompensada
Porque metade de mim é o que eu penso e a outra metade é um vulcão.

Que o medo da solidão se afaste, que o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável.

Que o espelho reflita em meu rosto um doce sorriso
Que eu me lembro ter dado na infância
Por que metade de mim é a lembrança do que fui
Mas a outra metade eu não sei.

Que não seja preciso mais do que uma simples alegria
Pra me fazer aquietar o espírito
E que o teu silêncio me fale cada vez mais
Porque metade de mim é abrigo
Mas a outra metade é cansaço.

Que a arte nos aponte uma resposta
Mesmo que ela não saiba
E que ninguém a tente complicar
Porque é preciso simplicidade pra fazê-la florescer
Porque metade de mim é a platéia
A outra metade é a canção.

E que a minha loucura seja perdoada
Porque metade de mim é amor
E a outra metade também.


Me esvaziar


Por que apego tanto? Se não sinto você por perto, nem quando está a minha frente
Não te sinto mais como antes
A sintonia acabou, eu te escuto mas tua voz é vazia
Não me preenche a alma, nem me tira essa dor que me rasga
Nem as minhas ânsias acalma.
Não sei se espero deixar de te amar
Não sei se espero você ainda me amar
Não sei se quero te esquecer
Não sei se desejo que voltes
Que me digas que ainda me ama
Não sei o quero ouvir de ti.
O que quero,
O que gostaria de ouvir.
Queria que me respondesse
Queria ouvir suas respostas as perguntas entaladas em minha garganta
Mas só o que tenho é a tua fria e distante presença
Seu olhar nada me diz, nada além da sua indiferença
E tua boca omissa as palavras guardas
Que eu não consigo decifrar se há algo a ser dito
Não sei o que doí mais... essa sede por tuas palavras
Ou a vontade que tenho de deixar de te amar
Quando você esta por perto
Tão perto e tão longe de mim

Não trate com prioridade quem te trata como opção...

quinta-feira, 20 de novembro de 2008


"Existem pessoas que amam e dizem que gostam. Existem pessoas que gostam e dizem que amam. Existem pessoas que não dizem nada ....os olhos e os gestos dizem tudo!"
Cecilia Meireles.

Outono


A la faveur de l'automne - Tété
Posté devant la fenêtre, je guête les âmes esselées, à la faveur de l'automne
Posté devant la fenêtre, je regrette de n'y avoir songé maintenant que tu abandonnes
A la faveur de l'automne revient cette douce mélancolie,
un, deux, trois, quatre, un peu comme on freudonne de meilleures mélodies,
rivé devant le téléphone j'attend que tu daignes m'appeler que tu te décides enfin
Toi et tes allures de garçonne emprisonnent de la monotonie de mes journées de mes nuits
A la faveur de l'automne revient cette douce mélancolie,
un, deux, trois, quatre, un peu comme on freudonne de meilleures mélodies,
A la faveur de l'automne tu redonnes à ma mélancolie ses couleurs de superscopie,
A la faveur de l'automne
Comment ai-je pus seulement être aussi bête? on m'avait prévenu,
voici la vérité nue, manquerai plus que le mauvais temps s'y mette une goutte de pluie,
et j'aurais vraiment tout perdu
A la faveur de l'automne revient cette douce mélancolie,
un, deux, trois, quatre, un peu comme on freudonne de meilleures mélodies,
A la faveur de l'automne tu redonnes à ma mélancolie ses couleurs de superscopie

A la faveur de l'automne

terça-feira, 18 de novembro de 2008

O meu gosto


Gosto do meu gosto
Gosto do meu jeito
Gosto do que gosto
Com gostos e desgosto
Descubro do que realmente gosto
Daquilo que nem gosto tanto assim
Do que gostei e que já não gosto mais
Mais o gosto dos meus gostos
Mesmo que agora esteja sem gosto, causado pelos desgostos
Ou quem sabe os desgostos apenas inibiu o meu gosto
Por medo de achar que você não vai gostar do que gosto
Mais o gosto é algo tão particular
Tão peculiar, que cada um tem o seu
O seu gosto, o seu jeito de ser.
Gosto do meu gosto
Gosto do que faço
Talvez meu gosto mude
E meu gosto por ti também
Talvez teu gosto mude em minha boca
Talvez eu possa gostar mais de você
Talvez eu perca o gosto de gostar de você

Eu em pedaços... Caçador de mim

Inpiração


Uns versos - Adriana Calcanhoto



Sou sua noite, sou seu quarto
Se você quiser dormir
Eu me despeço
Eu em pedaços
Como um silêncio ao contrário
Enquanto espero
Escrevo uns versos
Depois rasgo

Sou seu fado, sou seu bardo
Se você quiser ouvir
O seu eunuco, o seu soprano
Um seu arauto
Eu sou o sol da sua noite em claro,
Um rádio
Eu sou pelo avesso sua pele
O seu casaco

Se você vai sair
O seu asfalto
Se você vai sair
Eu chovo
Sobre o seu cabelo pelo seu itinerário
Sou eu o seu paradeiro
Em uns versos que eu escrevo
Depois rasgo